Cáritas participa de atendimento emergencial às vítimas da enchente em Crateús

Agentes Cáritas agindo sem esquecer a prevenção

Seguindo todos os protocolos de prevenção orientados pela Organização Mundial da Saúde e os especialistas em epidemiologia, nossas/os agentes da Cáritas Diocesana de Crateús saíram de forma extraordinária da necessária quarentena, e ajudaram a atender as famílias desabrigadas em decorrência da chuva de cerca de 140 mm que caiu na sede de Crateús, na madrugada desta quarta, 25. Até o presente momento, a Secretaria de Assistência Social de Crateús estima que foram aproximadamente 100 casas atingidas, provavelmente 500 pessoas, em várias áreas mais baixas da cidade. Pela manhã desta quinta, 26, os servidores da secretaria devem fazer o cadastro de todas elas, e então informar à população com mais precisão a quantidade de vítimas.

Com o apoio de agentes Cáritas, lideranças da Paróquia Senhor do Bonfim, da própria Secretaria de Assistência Social e o conjunto de secretarias municipais, Defesa Civil e uma legião de voluntárias/os, rapidamente socorros emergenciais, como abrigos provisórios e alimentação foram providenciados. Apenas as postagens na página do Facebook da Cáritas noticiando o ocorrido, anunciando o recebimento de ajuda de materiais e dinheiro alcançou, rapidamente, mais de 50 mil pessoas, além de mais de 700 compartilhamentos, o que gerou uma grande comoção e mobilização de solidariedade. Ainda hoje foi iniciado o trabalho de triagem e de distribuição de mantimentos doados.

Doações chegando em grande número à sede da Cáritas Diocesana de Crateús.

“É muito importante que as pessoas dispostas e com possibilidade de ajudar continuem nos enviando doações ou compartilhando nossas notícias e campanhas, para que não falte nada de necessário a essas pessoas”, explica Adriano Leitão, agente Cáritas. Segundo ele, o clamor das populações mais necessitadas é sempre prioridade para a entidade católica, e é possível prestar socorro e ao mesmo tempo tomar todas as providências necessárias para conter a pandemia do novo coronavírus, embora a recomendação é que, quem puder, não saia de suas casas. “Inclusive, uma de nossas preocupações é que as famílias atingidas tenham acesso mínimo a medidas sanitárias que coíbam ao máximo a proliferação do vírus entre elas. São pessoas que só não estão em casa por conta de um acidente, mas elas têm o direito à prevenção, e conseguirão com o grande mutirão que está se formando, acredita.

CÁRITAS E OS DESAFIOS DO MUNDO URBANO

Atuando há 15 anos numa nova etapa da existência na Diocese de Crateús, a entidade que surgiu na Alemanha, no século 19, justamente para atender a emergências como essa, hoje atua em rede global em diversas frentes  de assistência humanitária, sem perder o foco do atendimento a situações como esta. E desde que retomou sua caminhada na região de Crateús, no século 21, a Cáritas Diocesana de Crateús atua direta ou indiretamente em todas as situações de emergência social nas periferias urbanas do território, especialmente em terras crateuenses, em Tauá e Nova Russas, que possuem as maiores desafios da questão urbana na área diocesana.

Apesar de hoje ter presença em mais de 20 municípios de várias regiões de todo Ceará, atuando em áreas como agroecologia, convivência com o Semiárido, Educação Contextualizada, energias renováveis, e etc., a Cáritas de Crateús jamais deixou de ter uma forte presença frente a questões urbanas, e, ao lado das comunidades mais empobrecidas, luta para que, no futuro, incidentes como esse possam ser evitados ou minimizados, com saneamento básico, planejamento e execução de um Plano Diretor Urbano que atenda às vozes e os interesses destas populações. Para tal, através do projeto Tecendo Redes, realizado pela Cáritas Regional Ceará, em parceria com as cáritas diocesanas, incluindo a de Crateús, com apoio da Misereor, promove e continuará promovendo escolas de cidadania e mesas de negociação entre comunidades empoderadas e o poder público, na perspectiva da construção permanente e inclusiva da cidade que queremos e merecemos.